segunda-feira, julho 20, 2009

Pelo fim da ditadura das gravadoras.

Até a década de 90, dependíamos das gravadoras para definir o que iríamos escutar. Quem morava longe do eixo Rio - São Paulo então, tinha menos opções ainda. Bandas que nem eram divulgadas no Brasil passavam despercebidas por aí, e nós continuávamos sem conhecer. Bandas brasileiras talentosas, mas por não ter grana pro jabá nas rádios, ficavam de fora. Eis que chegou a internet. Com ela, veio o programa que iria revolucionar nossa maneira de ouvir música: o Napster. As gravadoras chiaram, deram xiliques, berraram, protestaram... Conseguiram o que queriam: fecharam o Napster. Mas o estrago já estava feito. É praticamente impossível controlar a internet, e logo surgiram outros programas: Kazaa, AudioGalaxy, WinMX, Soulseek, emule, e etc. Isso sem contar as comunidades no orkut que disponibilizam músicas por aí. Fecham um, aparecem 10. E assim vai indo. O que a internet fez foi democratizar o conhecimento. Foi através dela que descobri bandas que até então nem eram divulgadas no Brasil, e passei a gostar delas. Desde então, parei de comprar CDS, me limitando a comprar apenas DVDs, e muito bem selecionados (originais, que fique bem claro). Agora, as gravadoras não mandam no meu gosto musical, eu escolho o que eu quero ouvir, e conforme vou conhecendo bandas novas, vou aos seus shows se tenho oportunidade. Infelizmente as gravadoras ainda não se tocaram que o modelo de negócio atual é ultrapassado, e continua perseguindo programas e pessoas alegando pirataria. Ora bolas, o que é mais interessante pro artista? 300 mil pessoas que baixaram suas músicas gratuitamente na internet pagando pra ir nos seus shows, ou 5 mil pessoas que compraram o CD indo no show? Acredito que o artista do futuro ganhará a vida assim: disponibilizando sua música gratuitamente, e ganhando muito dinheiro com merchandising e apresentações.
Acredito que ao invés de ficarem criminalizando quem baixa músicas na internet sem ter nenhum ganho financeiro com isso, deveriam é combater a verdadeira pirataria. Aqui perto de casa mesmo, tem várias barraquinhas vendendo zilhões de CDs piratas, e ninguém nunca fez nada. A polícia passa em frente e nem tchum. Esses camelôs sim estão ganhando dinheiro em cima da obra alheia, e esses devem ser combatidos.

Mas existe muita vida inteligente por aí. E muitos artistas já viram o quão importante é divulgar suas músicas na internet, e o peso que isso tem. Com base nisso, o cantor Leoni teve a iniciativa de criar o manifesto MPB - Música para baixar. A idéia é exatamente essa: democratizar o mundo da música e flexibilizar as leis para que as pessoas tenham a liberdade de baixar músicas para fins domésticos, sem envolver lucro. E eu achei muito interessante, e nem preciso dizer que já assinei. Deixo aqui o link para quem é a favor dessa causa, basta clicar aqui

Chega de jabá. Chega da ditatura musical. Quero ter a liberdade de escutar o que eu quiser na minha casa, afinal, não estou ganhando nada com isso em termos financeiros. Meu único ganho, é o conhecimento. E isso nenhum dinheiro compra.

* Esse post foi inspirado a partir do blog Controversas & Pitorescas

10 comentários:

Fábio Carvalho disse...

tá completamente certa...

escutamos o que gostamos, e não o que querem que escutemos.

e que venha a liberdade musical \o/

Lucineia Silva... disse...

Denise, este assunto é bem complexo. Acredito que a pirataria deva ser combatida sim, e que os direitos autorais dos músicos devam ser respeitados. Então... q a justiça se faça... Vc tem toda razão. Seu raciocínio esta correto no meu ver.

bjinhos

Mauro S disse...

Estou contigo, Denise, belo texto.
Deixei o link também no meu blog!
Beijos, Mauro

Lucia disse...

legal isso

Lucia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lucineia Silva... disse...

De, tudo joia?? Vc já tem o selinho Master ne? rsrsrs Pois é, indiquei vc, mas como já tem fica o carinho!
bjos fofos!!!!

MarisaSLB disse...

Oi Denise.
Bem concordo plenamente. Realmente nós é que sabemos o que gostamos de ouvir e muitas vezes só gosto de 1 música ou 2 de um cd e seria ridículo pagar 15€ para ouvir 2 músicas em 12/13.
Aqueles que fazem mesmo pirataria ninguém se interessa mas nós que apenas baixamos as músicas para consumo próprio é que somos os piratas...
Concordo contigo sobre o futuro. A Internet foi sem dúvida um abrir de olhos para imensa coisa que desconhecíamos. =)
Bju*

Julis disse...

Concordo com vc Dê acho que é por esses motivos que muita gente nem compra cd

Isaac Melo disse...

Denise,
assino com você essa proposta.
Cada visita ao seu blog eu fico mais encantado com seu jeito de abordar os temas.
Um forte abraço! E com sua permissão vou levar o link para meu blog.

Srta.Lua disse...

Com certeza! apoiadíssima se precisar colocaremos outro alface para protestar e apoiar causas nobres como essas...kkkkkkkkkkkkk


se por um lado a internet trouxe pirataria, por outro lado trouxe divulgação justa..., comemos o que colocamos no prato, não o que os outros servem

e tem mais não foi a internet que trouxe pirataria, pirataria sempre existiu...