quarta-feira, maio 07, 2014

Morar em apartamento enche o saco.

Morei em casa por praticamente minha vida inteira, até que me mudei pra São Paulo. Por não conhecermos a cidade direito, e acharmos que casa era muito mais caro, além da falta de tempo para procurarmos, acabamos indo morar em apartamento.

Como tudo na vida tem vantagens e desvantagens, uma das maiores vantagens que alegam é exatamente a segurança. Ah, a tal segurança. Que faz com que instalem câmeras em tudo quanto é lugar, que se coloquem 50 portões para dificultar a entrada, que se proíbam de não moradores a usarem a garagem, dentre outras regras exageradas.

Mas a verdade é: esse lance de segurança é extremamente relativo. O que vemos na verdade é que a invasão a condomínios é muito maior do que invasão a casas. Principalmente os mais cheios de frescura. São exatamente esses onde tem mais arrastão e invasão.

Em quase 6 anos morando em apartamento estou de saco cheio por vários motivos. Não que meu prédio seja ruim, muito pelo contrário, não posso me queixar da administração, dos funcionários e nem dos moradores. São, na maioria, pessoas tranquilas. Mas confesso que algumas coisas me incomodam:

1) Depender de uma pessoa (no caso o porteiro) para entrar e sair do prédio. Ok, existem prédios mais simples onde você mesmo entra e sai, mas a maioria dos prédios hoje em dia tem porteiros. Como escrevi anteriormente, não posso reclamar dos funcionários. Mas é um saco você chegar cheio de sacolas de compras e ter que ficar esperando pra abrirem a porta pra você. Se está chovendo então, o negócio fica mais complicado ainda. E geralmente quando está chovendo e você está com sacolas, o coitado do porteiro está ocupado fazendo 300 coisas ao mesmo tempo. Murphy é implacável!

2) A sua segurança depende dos outros. Por mais que você treine porteiros e funcionários, sempre vai ter um morador sem noção que vai deixar a bendita da porta da frente do prédio aberta. Agora me pergunto, de quê adianta instalar câmera em elevador, na entrada, na saída, na pqp, instalar trocentas portas dentre outras medidas ditas de segurança, se os moradores não colaboram com o mais básico de tudo, ou seja, fechar a bendita da porta da frente. Já reclamei várias vezes sobre isso e ainda me deparo com essa aberração. Assim fica difícil. Isso também vale para prédios sem porteiro. Tá lá escrito que a partir de tal hora, deve-se trancar a porta. Mas, quem disse que todos trancam? Aí, lá vai sua segurança pro beleléu.

3) Elevador. Ahhhhhhhhhhhh o elevador! Essa eu posso dizer de boca cheia: NUNCA tive paciência pra eles. Desde quando morava em Blumenau, sempre detestei ficar esperando o bendito em prédios comerciais. Infelizmente não pude vir morar em um andar mais baixo, fui parar no décimo. Conclusão: vamos de elevador, claro. Antes de me mudar pra cá, morei um ano em apartamento, mas era no terceiro andar. Ô delícia! Era escada o tempo todo. Só usava o elevador quando estava com compras, ou algo mais pesado. Mas aqui não. E demora, demora, demora. Às vezes dou o azar do prédio inteiro querer subir ou descer no mesmo tempo. Aliás, nunca vou me conformar com gente que mora no primeiro andar, é jovem e saudável e continua usando elevador. E eu aqui doida pra morar num andar mais baixo pra não depender dessa porcaria.. Ahh saudades de quando eu morava em casa, abria a porta e já estava na rua. Sem nenhuma espera.

4) Garagem de prédio é um horror. Todas. Acho que dispensa comentários aqui. Ainda bem que eu não dirijo, quem se ferra é o namorado pra estacionar lá. Não, eu não gosto de dirigir, e se um dia voltar vai ser por necessidade, não por prazer.

5) Tem hora pra tudo. Por motivos óbvios. Demorei a pregar minha TV na parede pelo simples fato de faltar tempo. O único dia que sobrava era domingo, mas domingo não pode furar parede. E claro, depois das 18 não pode mais fazer barulho, e como eu chego em casa todos os dias às 19:30... Aí ficava a TV lá jogada. Claro que se as pessoas tivessem bom senso essas regras seriam desnecessárias, mas como sabemos que se não fosse proibido fazer barulho domingo e de noite teria gente quebrando tudo o dia inteiro e até 3 da manhã, proíbe-se tudo. Simples assim.

6) Isso vale pra São Paulo: Muitos prédios não permitem que se instale ar-condicionado. Sem comentários. Tivemos um dos verões mais quentes do século aqui em SP, e pra dormir foi O inferno na terra. Parece que no nosso prédio liberaram, e eu não vejo a hora de instalar um. É ridículo sermos obrigados a se ferrar no verão por causa dessas regras ridículas. Mas assim mesmo, já vai ser um saco, porque o condicionador tem que ficar no chão, ou seja, uma instalação em apartamento sai muito mais caro, pois nada pode ficar visível. Já em casa, enfia o ar onde quiser e tá tudo beleza! Vale até um de janela.

7) Dependendo do prédio, você não pode assinar a operadora de TV que você quer. Sim, infelizmente isso existe. Se você era cliente da operadora X que precisa de instalação de antena, mas o prédio não permite, sinto lhe dizer, mas você se ferrou. Ou vai pra Y, que é somente a cabo, ou fica sem. Ah, já li a repeito de alguns prédios novos onde não se tem nem antena de TV aberta. Não vou entrar na discussão da qualidade da nossa TV, seja por assinatura, seja aberta, mas acho que a pessoa deveria ter o direito de escolha não?

8) Taxa de condomínio. É praticamente um aluguel. Toda vez que vem o boleto eu choro. Penso o quê que eu poderia estar fazendo com esse dinheiro... :(

Mas enfim.. Existem algumas vantagens, como por exemplo, comprar tralhas pela internet. Sempre vai ter alguém na portaria pra receber tudo, e não precisamos ficar mandando pra outros lugares.

Mesmo assim, tenho planos de voltar a morar em casa. De preferência fora de condomínio fechado. Não seu quando, mas um dia isso vai acontecer. Falei por tantos anos que queria me mudar pra cá, e aqui estou.. Então vamos ter paciência que um dia dá certo!


terça-feira, maio 06, 2014

Quando sentimos necessidade de mudar.

Há tempos tenho estado em um período de reflexão interna. De repente comecei a me incomodar com certas atitudes vindas de mim mesma, e decidi que iria mudar em certos aspectos.

Estou tentando reclamar menos, e pensar mais. E olhe, como isso é difícil, ainda mais em épocas de redes sociais onde todo mundo reclama de tudo. Confesso que passei do ponto várias vezes no Twitter em termos de reclamações.

Não que seja fácil, não é. Dizem que a pior luta é a que travamos contra nós mesmos. Mas, por outro lado, é recompensador quando você se dá conta de que tomou certas atitudes hoje que não tomaria há um ano atrás.

Hoje voltei a falar com uma pessoa que há anos não falava. Naquela época aconteceram algumas situações chatas, que acabou culminando no rompimento de uma amizade de alguns bons anos. Desde então, havia a bloqueado de tudo quanto é lugar, e decidi que nunca mais nos falaríamos novamente.

Eis que, ano passado, recebi um e-mail dela. Um e-mail muito sincero pedindo perdão por ter me magoado, e que se fosse possível, que eu revisse minha decisão de continuar sem nos falar. Que ela queria resgatar nossa amizade. Enfim, refleti muito. Aliás, refleti até demais, pois decidi respondê-la quase um ano depois.

A verdade é: todo mundo dá mancada. Somos seres humanos. Com algumas exceções, acho que todo mundo deve ter sim uma segunda chance. Hoje, olhando para trás, vejo que foi um turbilhão de coisas erradas que acabou nos afastando. Mas resolvi que passado é passado, e vale a pena perdoar e seguir em frente. Mesmo porque o tempo passa, as pessoas podem amadurecer e mudar certas coisas. Afinal, a vida é tão breve, por que não vivermos da melhor maneira possível?