sábado, novembro 26, 2011

Viagem de aniversário - Parte 2 - Paraty e Trindade.

Depois da via-sacra para chegar em Paraty e achar a pousada, finalmente conseguimos! Chegamos lá às 2 e pouca da tarde, podres de cansados e loucos por um banho e por descansar.

Ficamos na Pousada Tropical. É um lugar super aconchegante, atendimento ótimo e quartos confortáveis. E o melhor, é a 5 minutos a pé do centro histórico. Quer coisa melhor?
Enfim, pegamos a chave, subimos pro quarto. O tempo passou e aí lembramos de que não tínhamos almoçado. Isso já era quase 4 horas da tarde. Nos arrumamos e fomos caminhar pelo centro histórico, e procurar algo para comer. Como a gente estava meio perdido, resolvemos ir de carro, pois ainda não conhecíamos nada. Até que achamos uma vaga pra estacionar facilmente.

Uma coisa que me chamou a atenção em Paraty: o povo estaciona seus carros de qualquer jeito, o que dificulta a gente saber se a rua é ou não contra-mão. É muito bizarro isso! A gente vê carro estacionado nos dois lados um de frente pro outro. Não me lembro de ter visto isso em outra cidade...

O centro histórico realmente é uma gracinha. Ainda bem que fui de tênis, pois andar naquelas pedras de chinelo ia ser uma desgraça pra mim. Ainda mais do estado que eu tava.




Gatinha simpática :D






Depois de andarmos e tirarmos umas fotos, achamos um restaurante e sentamos pra comer. Já estávamos roxos de fome, afinal, a última refeição tinha sido às 15 pras 10 da manhã lá em Cunha.

Pedimos uma Paeja, muito deliciosa por sinal! E ficamos lá de frente pro mar boiando. Afinal, depois de uma viagem pra lá de estressante, a gente mereceu comer de frente pro mar né?

Ê vida boa!

Ficamos o dia inteiro boiando, passeando por ali. Como Murphy ainda estava de mal comigo por eu tê-lo xingado de fdp, a noite chuviscou. Uma delícia! Mas apesar de tudo, deu pra curtir o dia. Fomos dormir antes da meia-noite, pois estávamos apodrecidos.. Dormimos esperando um domingo ensolarado.

E não é que eu ganhei um lindo presentão de aniversário! Domingo o dia estava lindo! Aproveitamos para voltarmos ao Pier e tirar fotos com aquele céu azulão!



Cavalinhos... O Vander tentou falar com eles mas eles nem deram bola hahahaha!!!

Dia maravilhoso.. Pena que não deu pra tomar banho de mar... :(





Uma pena que não deu para fazermos o passeio de escuna. Mas com certeza quero voltar lá só pra isso. Andamos mais um pouco por ali, e voltamos à pousada para fecharmos a diária e pegar estrada. Como o dia estava lindo, resolvemos passar por Trindade para pelo menos conhecer, já que estávamos com tempo de sobra, e também precisávamos achar algum lugar pra almoçar.

Foto pra lá de boiante...

Paramos em um restaurante para almoçar. Caramba, que peixe delicioso! Fazia muito tempo que eu não comia um peixe tão fresco! Comemos pra caramba, quase explodimos!

Gatinho (ou gatinha) deitado nos fundos do restaurante. Com certeza ganha muito peixe.. rs

Passado o almoço, chegou a hora de pegar estrada. E lá vamos nós rumo a São Paulo... Apesar de tudo, posso dizer que meu fim de semana foi fantástico. Não posso reclamar de nada, pois até as tosqueiras serviram para a gente rir depois. Afinal, a vida não teria graça se tudo desse sempre 100% certo né? E ano que vem quero fazer outra viagem de aniversário. É uma comemoração digna.

Agora, deixo aqui a dica preciosa: Caso vocês queiram ir para Paraty saindo de São Paulo, ou de qualquer lugar abaixo daqui não utilizem essa bendita estrada Cunha - Paraty. Ah, e ao contrário de Ilhabela, lá em Paraty eles aceitam Visa.

segunda-feira, novembro 21, 2011

Viagem de aniversário - Parte 1 - No meio do caminho tinha um matagal.

Há tempos estávamos planejando conhecer Paraty. Aí veio a idéia de passar o fim de semana do meu aniversário lá. Não estava muito empolgada pra fazer festa, então eu e o Vander decidimos: vamos para Paraty comemorar meu niver. Ótimo! Pousada reservada, rota traçada, e era só esperar. Consultamos o senhor Google Maps, e pegamos a rota mais curta, como sempre fizemos em todas as viagens que planejamos. Sempre tinha dado certo, mas me esqueci que sempre antes do meu aniversário acontece algum pepino. Mas enfim, finalmente chegou o grande dia: 18 de novembro. Imprimi o mapa, e pé na estrada.

O caminho mais curto sugerido pelo google foi pela cidade de Cunha. Até chegarmos lá estava indo tudo bem. Depois que passamos por Cunha, a estrada começou a ficar uma porcaria. Mas pelo menos tinha asfalto. Eis que chegamos na divisa de Estados.



Que maravilha! Só que eu não sabia que no meio do caminho tinha um matagal. Sim, entramos literalmente no meio do mato. Um breu desgraçado, sem sinal de celular, e com crateras dignas de deixar a lua com inveja. E nós com nosso pobre Honda Civic nunca que íamos conseguir passar ali. Conclusão óbvia: tivemos que voltar pra Cunha. Voltamos aquilo tudo naquela estrada horrenda... E claro que quando chegamos na cidade, não tinha uma alma viva na rua. Já estava quase batendo o desespero quando eu vejo uma viatura. Ah, mas que maravilha! Paramos e fomos lá perguntar pros policiais se eles sabiam de alguma pousada que tivesse vaga pra gente passar a noite. Por fim eles nos levaram lá. Na pousada Clima da Serra. Eram chalés pra lá de charmosos, muito legal! Adorei lá. E achei Cunha uma cidade bem simpática, tá aí outra cidade pra lista de viagens no ano que vem!

Finalmente chegamos lá e dormimos. Estávamos podres, e depois do matão boiante lá, acabou de apodrecer mais ainda. Dormimos até umas 9:30, tomamos café, e perguntamos qual que era o melhor caminho pra chegar em Paraty. Acabamos indo por Ubatuba. Teríamos que passar por São Luiz do Paraitinga, mas infelizmente não chegamos a entrar na cidade propriamente dita. Passamos pela área rural somente. Depois de muitas vacas, cachorros e alguns seres humanos perdidos, chegamos no Parque Estadual da Serra do Mar. Nunca tinha descido essa serra. E foi muito massa! Com direito a ficar tonta com tanta curva, e de passar por dentro de uma nuvem. Divertidíssimo.

Finalmente chegamos em Paraty! Nossa, parecia que finalmente tudo ia começar a se desenrolar, mas nosso amigão GPS deu uma última zuada com a gente: nos mandou passar por uma estrada que estava em obras (e claro que a gente não sabia né! poin!). Depois do sufoco, entramos na cidade, rodamos que nem duas baratas tontas e.. achamos a pousada!!! Isso já era 2 horas da tarde, e o planejado era para a gente chegar às 2 da manhã! E o tempo estava nublado! Mas eu adorei o dia estar nublado, porque eu ia ficar muiti p.. da vida se chegasse lá com um solão e não poder aproveitar os passeios. Acho que isso serviu de consolo...

Depois da via sacra, descansamos um pouco na pousada, e saímos pra conhecer o centro histórico. Essa parte contarei em breve, se não o post vai ficar kilométrico...

Aguardem cenas do próximo capítulo!

PS: O matagal em questão era o Parque Nacional da Serra da Bocaina. O lugar parece ser lindo, mas não pra passar às 2 da manhã... hehehehehehehe

quinta-feira, novembro 03, 2011

Lula, o câncer e o SUS.

Lula está com câncer. Podemos dizer que esta doença é realmente democrática: ataca a todos, independente de ser rico, pobre, famoso ou qualquer zé mané da esquina. Longe de mim comemorar isso. Não sou fã de Lula, não votei nele e nem pretendo fazer isso algum dia. Como político não gosto dele. Mas o respeito como ser humano, e torço para que ele consiga se curar.

O fato de eu o respeitar como ser humano e desejar que ele se cure não anula minha opinião de décadas: não somente Lula, mas todos os políticos deveriam se tratar pelo SUS. No Facebook as pessoas começaram a postar uma foto do ex-presidente com os dizeres ''Lula, faça seu tratamento pelo SUS''. Eu entendi isso como um protesto pela melhoria da saúde pública, não como um desejo de que ele sofra. Vale lembrar que o ex-presidente é uma pessoa pública, e está sujeito a tudo isso independente de sua condição. Bastou pra chegar um monte de gente bradando aos quatro ventos que o SUS é uma maravilha, que já precisou e foi bem atendido, e bla bla bla.

Sim, o SUS tem o seu lado bom. Minha mãe já foi atendida pelo SUS em Sorocaba, e não posso reclamar, o atendimento foi exelente. Assim como várias pessoas que conheço já se trataram pelo SUS e foi ótimo. Temos aqui em São Paulo o Hospital das Clínicas que é um exemplo a ser seguido. Atendimento de ponta, tudo pelo Sistema Único de Saúde.

A questão não é essa. A questão é: o lado bom do SUS é exceção, infelizmente. E deveria ser ao contrário. Afinal, nossa Constituição Federal é clara: 'Saúde é um direito do cidadão e um dever do Estado'. Basta lermos as notícias que temos casos escabrosos praticamente todos os dias por falha no atendimento. São mães que perdem seus filhos por falta de atendimento. Médicos escrevendo no braço de gestantes o endereço de outro hospital porque aquele simplesmente não tem as mínimas condições de trabalhar. Pessoas acidentadas que fazem peregrinação por vários hospitais públicos e não conseguem atendimento. Há meses uma moça ficou uma semana peregrinando por hospitais públicos daqui de São Paulo reclamando de muita dor. Acabou morrendo de trombose. Esses são os casos que aparecem na mídia. Fora os muitos outros que ocorrem nesse Brasil que não ficamos sabendo. Sobra a dor das famílias, que além de perder um ente querido, convive com a falência do nosso sistema público de saúde.

Ah, mas o tratamento do SUS para câncer é de primeiro mundo. Ótimo, acredito que em um Hospital das Clínicas da vida seja. Mas acho que essa foto aqui é auto-explicativa. Não é preciso divagar sobre ela:



Então: cadê o povo que defende o SUS fervorosamente? Temos que reconhecer como funciona, mas temos que reconhecer também que não é o suficiente. E para os políticos é muito mais fácil deixar nossa saúde pública como está e qualquer dor de barriga, correr pro Einstein. Afinal de contas, se eles não precisam, o povo que se ferre. Então, que usem o SUS. Quem sabe assim a coisa não começa a melhorar, afinal, seria o deles que estaria na reta?

terça-feira, outubro 25, 2011

Ilhabela

Até sábado passado não conhecia absolutamente nada de litoral de São Paulo. Pra não mentir, conhecia somente Praia Grande, e de passagem, confesso que a impressão não foi uma das melhores mas...

Finalmente tive a oportunidade de conhecer um pedacinho do litoral norte. O Vander vivia me dizendo que eu tinha que conhecer, e finalmente fomos. Já estava entrando em síndrome de abstinência de pegar estrada, pois desde que bateram no nosso carro não viajamos mais. E como o bendito ainda não voltou, decidimos alugar um carro. Saiu caro, mas pelo menos deu pra matar as saudades da estrada.

Murphy nos avacalhou com o carro, mas nos deixou em paz no quesito tempo. Pegamos dias lindos, e além de matar saudades de pegar estrada, matei saudades de tomar banho de mar, pois desde a minha viagem traumática para Aracaju não sabia o que era dar um bom mergulho no mar.

Eu simplesmente adorei a ilha. Bem que o Vander havia me falado que o local era muito agradável, e realmente, é. A pousada que ficamos, Villa Vittoria é muito fofa! E o atendimento impecável. Tem até besouros simpáticos. Não que eu ache isso uma vantagem, mas foi hilário chegar na mesa do café da manhã e dar de cara com um besourão te dando bom dia. Tá, quase saí correndo, mas a experiência foi marcante...

O que eu mais curti lá é o fato de ser bem preservada a mata nativa. Felizmente a especulação imobiliária não chegou lá, e sinceramente, espero que não chegue. Basta ver o que aconteceu com Florianópolis, onde chegaram ao cúmulo de construírem um shopping em cima de um manguezal...

Mas voltando à Ilhabela: chegamos na madrugada de sexta pra sábado lá pras 3 e pouca da manhã. Demos entrada na pousada, dormimos, e 9 da manhã estávamos prontos pra tomar o café (e sermos recepcionados pelo besouro simpático rs), e irmos pra praia. Decidimos ir na Praia do Curral, que era ali do lado. Uma praia deliciosa! A água estava bem geladona, devido à frente fria que passou recentemente por aqui, mas eu encarei mesmo assim. Ê que delícia! Nem lembrava mais como é bom tomar um bom banho de mar!

Ficamos um tempo lá, e depois decidimos dar umas voltas pra conhecer melhor a ilha. A vista da estrada é a coisa mais linda, aquele marzão lá embaixo.. De tirar o fôlego!





Depois fomos dar uma volta pelo centro antigo, e aproveitei pra tirar foto das esculturas de lata que tem lá perto:







Andamos pelo centrinho, voltamos pra pousada pra descansar um pouco, pois eu estava pior do que zumbi.. Lembra que eu falei que Murphy deu uma trégua no quesito tempo? Pois é. Mas ele sempre tem que avacalhar, então no quesito resfriado ele caprichou. E obviamente que estava super cansada por não ter dormido o tanto que precisava, e com aquele nariz podre. Era pra ter dormido meia hora e acabei dormindo por uma... Mas deu tempo de voltarmos ao centro antigo e jantar na Lanchonete Borrachudo. Infelizmente estava com o cérebro tão pifado que esqueci a máquina (sim, eu tive essa capacidade!) e não tirei foto do lugar. Troféu joinha pra mim! Hunf!

No dia seguinte tínhamos só a parte da manhã pra curtir praia, pois ao meio-dia fechava a diária, e infelizmente já tinha gente pra entrar. Decidimos ir até a Praia Grande, que era ali perto também. O dia estava mais lindo ainda, e sinceramente, tive pena de ter que ir embora. Por mim ficaria mais uns dois dias lá tranquilamente.

Voltamos ao hotel, fechamos a diária e fomos almoçar no restaurante Nova IorquI. Sim, isso mesmo, uma comédia.



Tinha até uma Estátua da Liberdade anã:



Divertidíssimo! O lugar era super agradável, e a comida, deliciosa! Recomendo! Ah, e caso você se esqueça do repelente, lá tem. Citronela. E foi o que salvou meus pés de serem devorados por borrachudos.

Depois do almoço delicioso em um lugar agradável, infelizmente era hora de partir. Seguimos em direção à balsa. Com aquele dia lindo deu gosto de sair do carro e observar o mar. Ê que lugar lindo!







Adorei aquele lugar. Faço questão de voltar em breve!
Aliás, uma curiosidade: lá não aceitam Visa em praticamente nenhum lugar. Só Mastercard. O porquê disso não faço idéia, mas caso vocês só tenham Visa (como eu), tirem dinheiro. #ficadica

sexta-feira, setembro 30, 2011

Quando a imbecilidade impera...

E o politicamente correto ataca novamente. A bola da vez é a mais recente propaganda de uma empresa de lingeries, em que Gisele Bundchen aparece em diversas situações, com roupa, e vestida somente de calcinha e sutiã se desculpando com o marido por ter estourado o limite do cartão de crédito e etc. Situações clichês retratadas de uma maneira bem humorada e inofensiva na minha opinião. O problema é que os politicamente corretos já vieram atacando. Lá veio a Secretaria de Políticas para as Mulheres atacando a propaganda, alegando que a mesma degrine a imagem da mulher, e reforça o estereótipo de 'mulher objeto'.

Um país onde temos Carnaval, que com algumas exceções, nada mais é um puteiro a céu aberto, onde temos programas escrotos como Pânico e etc, onde funks que chamam mulheres de cachorras, putas, vagabundas pelos ''cantores'' (e que elas adoram), e onde as ''cantoras'' fazem questão de se apresentarem com um shortinho enfiado no rabo cantando ''eu dou pra quem eu quiser a b***** é minha'', dentre outras baixarias, vai dizer que uma propaganda de lingerie degrine a imagem da mulher?

Ah, faça-me um favor!

domingo, setembro 25, 2011

Passeio de Maria Fumaça e outras viajadas.

Já tinha andado de maria fumaça quando estive em Garibaldi, no Rio Grande do Sul, e foi um passeio super agradável. Por isso quando o Vander mandou um email sobre o passeio de maria fumaça saindo de Campinas e indo até Jaguariúna, não pensei duas vezes: topei na hora. Estava com medo do tempo estar uma porcaria, já que a previsão do tempo era pra chuva o dia inteiro, mas que nada, fez um dia lindo. A única coisa chata foi ter de acordar às 5 da manhã em pleno sabadão. Mas nada é perfeito, então lá fomos nós.

Chegamos em Campinas, e o motorista acabou se perdendo. Corre dali, corre daqui, e finalmente chegamos na Estação Anhumas, que era daonde sairia o trem.

A viagem em si foi muito legal! Com direito a banda tocando, camisetas a venda (claro que comprei uma), e muita história. E tudo voluntário. O governo, claro, não ajuda em nada na preservação da memória dos nossos trens e ferrovias, mas ainda bem que existem voluntários que se unem à essa causa e nos proporcionam esses passeios inesquecíveis.

Prontos para partir

Bandinha tocando. Muito animado! :D

Chegamos em Jaguariúna, e demos umas voltas por lá até pegar o ônibus para almoçar em Holambra.



Antes tivemos que dar uma olhada em um museu que tinha na estação. Não é segredo que eu adoro velharias, e não podia deixar de tirar fotos de coisas curiosas, como essas duas 'pilhinhas' por exemplo:



E mais umas coisinhas interessantes:







Pegamos o ônibus rumo a Holambra, almoçamos em um restaurante delicioso! Foi legal voltar em Holambra em tão pouco tempo, aquela cidade é encantadora.

De Holambra fomos para a cidade de Pedreira. Pra ser sincera nunca tinha ouvido falar de lá, mas curti a cidade. Faz parte do Circuito das Águas Paulista, e é conhecida como a cidade das porcelanas. E realmente, tem muita coisa barata lá, desde pratos, xícaras, canecas, até objetos de porcelana branca, pra quem quiser trabalhar nelas. Quando casar já sei onde comprarei os pratos para minha nova casa hehehehe...

Lá também tinha um museu, o Museu da Porcelana. Apesar de chamar assim, tinham vários objetos antigos, de piano a máquinas de escrever. Lá fui eu fazer a festa com as fotos.











Isso é um projetor de filmes... o.O

Visitamos o museu, andamos mais um pouco pelas ruas da cidade, e fomos no Café da Santa tomar um café e comer algo. O lugar é super agradável, na beira do rio. Os avisos colados lá eram muito engraçados! O chão do lugar era revestido com pedrinhas. Acho que tinha muita gente jogando pedrinha no rio, então, resolveram colocar esse aviso super simpático lá:



E tinham outros avisos pra lá de viajões:







Depois do café no lugar das placas doisas, retornamos para São Paulo. Ainda bem que não choveu, e também não fez aquele calorão de lascar. Aproveitamos bastante e ainda de quebra comprei 3 camisetas! Bom, muito bom! Que venha o próximo passeio!

sábado, setembro 17, 2011

Cadê o Estado quando a gente precisa dele?

[Já sei.. Está enfiando o dinheiro dos nossos impostos na cueca.]


Quando eu não trabalhava, assistia todo dia ao SPTV, jornal local que passa ao meio-dia. Praticamente todo dia sempre tinha alguma reportagem policial, e logo depois vinha um comandante de algum batalhão falar sobre 'a importância de se chamar a polícia quando necessário, e registrar um BO', como se fosse fácil, e como se realmente pudéssemos contar com a Polícia. Eu adoraria que fosse fácil assim. Primeiro porque é o trabalho deles proteger e servir à população, segundo porque pago impostos, e parte deles são, ou deveriam ser destinados à polícia.

Pois hoje tive a certeza de que infelizmente não é bem assim. Aliás, já desconfiava disso antes, mas é triste quando a desconfiança se torna certeza.

Meu namorado estava vindo me buscar hoje de manhã para sairmos, quando de repente ele me liga dizendo que tinham batido no carro dele. Nada grave, apenas um ser distraído, que estava em um momento totalmente fora de órbita, não freou e bateu. Além de ele estar no mundo da lua, estava infringindo outra lei: estava com sua filha, uma criança, sem a cadeirinha. Conclusão, a ela bateu com a testa, e sangrou um pouco. Nada grave, mas é óbvio que ele se aproveitou da situação pra dar uma escapada. Levou a guria pro hospital, depois voltou no local do acidente, deixou um cartão com o Vander, largou o carro da empresa no meio da rua (!!!), e simplesmente foi pra casa.

Como já não bastasse isso, agora vem a parte pior. Aí entra o Estado sempre falho. A batida foi às 11 da manhã. Ao meio-dia o cara voltou do hospital e fugiu. E meu namorado está ATÉ AGORA (15:22) esperando uma viatura para fazer o BO. Ou seja, perdemos nosso sábado por causa de um irresponsável, e perdemos o resto do sábado por causa da incompetência da polícia em resolver algo simples!

E não adianta dizer que a polícia tem prioridades, e etc. Não justifica! Eles tem a obrigação de atender a população, seja em um crime grave, seja em algo mais simples.

Então, comandantes, por favor, antes de irem na TV falar da 'importância de chamar a polícia', melhorem os serviços de vocês. Ninguém merece ficar o dia inteiro esperando uma viatura para registrar um BO. Isso é um escárnio com nós, cidadãos que pagamos nossos impostos em dia.

Fica aqui registrada a minha revolta.

domingo, setembro 04, 2011

Holambra

Uma cidade que sempre quis conhecer era Holambra. Meus tios já haviam ido pra lá e falaram que ela era uma graça. O tempo foi passando, e finalmente tive a oportunidade de conhecê-la. Lá foi eu e o namorado curtir um dia na cidade das flores.

Holambra é uma cidade de colonização holandesa, localizada pouco depois de Campinas. É conhecida por ser produtora de flores de todos os tipos, inclusive pra exportação. Daqui até lá é uma viagem agradável, principalmente com o dia lindo que fez ontem. Além de conhecermos a cidade, aproveitamos para visitar a Expoflora.

Enfim, pegamos estrada e chegamos perto da uma da tarde. A cidade é uma graça!



Inclusive lembra algumas cidades de Santa Catarina. Paramos no centro para almoçar. Fomos em uma churrascaria ótima, chamada Churrascaria Bom Gosto. Comida deliciosa, e atendimento 10! A primeira impressão da cidade foi ótima, afinal, quem não gosta de chegar em um lugar e ser prontamente bem atendido?

Depois de almoçar, andamos um pouco pela rua principal da cidade, e eu me deparei com um mega bonecão da Vivo. Claro que eu tive que tirar foto disso:


Depois de tirar foto com o bonecão, pegamos o carro e fomos pra Expoflora. De cara já vimos que a cidade sabe organizar eventos. Posso dizer que esse foi um dos mais bem organizados que eu fui até hoje. E todos os atendentes, da bilheteria até a barraquinha de refrigerante eram super agradáveis. E claro que fiz a festa nas barraquinhas de tralhas. Comprei sapatinhos holandeses, camisetas, suco de uva (uma delícia!!).

Não é uma graça?

Sem contar a área de exposições de paisagismo e flores. Uma verdadeira obra de arte:















Depois de andar por tudo, boiar um pouco sentados no gramado (como eu adoro isso), fomos comprar flores. o Vander queria comprar algo pra mãe e pra avó. Eu queria ter comprado um girassol pra mim, mas tenho plena consciência de que gatos e flores são incompatíveis, e como tenho 3 lindos gatinhos dentro de casa, nem cheguei a pensar muito. Mas eu adoro girassol! Acho uma das flores mais simpáticas. Só que se trouxesse um pra casa, no dia seguinte o pobre coitado iria estar despetalado. Então deixei pra lá mesmo. Acabei ganhando um mini-cacto do namorado. Espero que ele sobreviva à fúria dos meus felinos. Se bem que, esse vai ficar no meu quarto. Acho que sobrevive...

E pra finalizar, a tão esperada chuva de pétalas! Não chegamos a ir lá pro meio da muvuca, pois já tínhamos comprado tralha pra dedéu, então ficamos na parte superior. E consegui umas fotos legais também:







Dizem que se você consegue pegar uma pétala no ar, todos seus sonhos se realizarão. Eu não peguei nenhuma, mas meus sonhos já estão se realizando, então nem posso reclamar hehehehehe...

Enfim, foi um dia super agradável. O céu estava maravilhosamente azul, curtimos muito mesmo! Recomendo a exposição e a cidade. Vale a pena conhecer!