segunda-feira, março 15, 2010

Obesidade infantil. Como lidar com isso?

Ouve-se falar muito em obesidade hoje em dia. Muito mais do que há alguns poucos anos atrás, e isso inclui obesidade infantil. As escolas estão cada vez mais restritivas quanto ao lanche que as crianças levam. Enfim, criou-se todo um 'pânico' a respeito disso.
Claro que a obesidade é algo que preocupa, principalmente a infantil. Criança obesa, adulto obeso, e a saúde vai embora rapidinho. E é óbvio que a alimentação influencia e muito nisso, não tem como negar.

Mas não posso deixar de lembrar da minha infância. Começando pela pré-escola, onde era comum festejar aniversários, cujas festinhas eram regadas a bolo, brigadeiro e refrigerante. Entrei na primeira série em 1983, e na escola onde eu estudava tinha de tudo pra comprar, inclusive picolés da Gelato (aiiii saudades!). Tinha pastel, cachorro-quente, coxinha, risóles, dentre outras comidas não tão politicamente corretas assim para se vender em uma escola. Ah, e tinham balas também.

Em casa era comum fazermos brigadeiro, e comer de colher. Coca-Cola nunca faltou, minha mãe fazia nega-maluca quase toda semana. E os doces de leite que minha avó fazia? Era a coisa mais maravilhosa do mundo!

Voltando mais no tempo ainda, minha mãe conta que era muito comum ter doces de sobremesa, e todos feitos em casa, nada dessa de comprar bolo pronto no supermercado.

E sabe o que é mais curioso disso tudo? Obesidade infantil era coisa raríssima. Na minha escola dava pra contar no dedo as pouquíssimas crianças obesas. Éramos todos magrelos, mesmo comendo risóles, coxinha e picolé no recreio. Aí é que entra o outro detalhe, que muita gente não fala. Do que nós brincávamos naquela época?

Brincávamos de pegar. Era uma correria no recreio, que voltávamos todos suados pra sala de aula. Brincávamos de esconde-esconde, amarelinha, coreografias, dentre outras brincadeiras que exigia esforço físico. Onde eu morava, todo fim de semana saía pra brincar com a criançada da rua. Por morar em uma ladeira, era uma correria pra cima e pra baixo o dia inteiro. Brincava na areia, brincava de rolar na grama.
E do que as crianças brincam hoje? Vídeo-game. Computador. Jogos virtuais. Sentadas. Paradas. Mas continuam comendo todas as besteiras que nós comíamos quando éramos crianças. É óbvio que elas vão engordar. É óbvio que elas vão desenvolver doenças por causa da obesidade cada vez mais cedo.

Não adianta somente tirar a bolacha recheada da criança durante o lanche dela. Acho louvável o tema educação alimentar no currículo escolar, seria mais interessante ainda botar essa criançada pra correr, brincar, pular, enfim, gastar energia. Só assim a obesidade infantil poderá ser combatida com mais rigor.

5 comentários:

Mauro S disse...

Boa noite, Denise.
Livros muito mais sempre!
Cds e dvds eu não ouço, nem vejo mais, filmes por ora na tv a cabo ou uma vezinha que outra cinema.
No momento conectado com a Vivo 3G.
Beijos, Mauro

Ruby disse...

Denise, sou professora e observo muito a questão do lanche, me arrepio quando vejo as crianças antes da aula tomarem coca, pq saem de casa sem tomar café e na hr do recreio, eles querem mesmo é isso, essa geração vai ter mais problemas que as passadas ou atual, problemas adquiridos por causa dos maus hábitos alimentares, as meninas têm barriga, gordurinhas e muitos já são obesos mesmo, tem que tomar mt cuidado, os lanches mais atrativos são os que mais oferecem riscos.

Julis disse...

na nossa época tinha já todas essas guloseimas gostosas mas mesmo assim o controle era maior e como vc disse tbm na nossa época corriamos, pulávamos a infancia era bem diferente e muito mais ativa do que a de hj

Zandali disse...

Dê...
não deveríamos tratar da obesidade infantil e sim da inércia infantil...

Ai, ai... caso sério! vejo pelos meus alunos, totalmente desanimados fisicamente... andar um quarteirão os mata...

Onde vamos parar?

Beijoooooooooooooooooooo

Srta.Lua disse...

realmente as crianças trocaram a bicicleta e a brincadeira de pular corda! pelo vídeo game e computador!

ta explicado!