quarta-feira, fevereiro 10, 2010

A culpa é de quem afinal?

Cada vez que chove, São Paulo entra em alerta. E não tem jeito, alaga tudo mesmo. Muitos xingam o prefeito, xingam os políticos com todo aquele bla bla bla, que a prefeitura tem que fazer isso, fazer aquilo, coitadinho do povo que mora em área de várzea - como se o prefeito os tivesse colocado lá, dentre outras gritarias a mais.
Não, não estou defendendo políticos. Sei que é difícil achar algum que governe realmente em prol do povo. Mas também não é justo culpar somente eles.

Hoje no SPTV passou uma reportagem sobre pessoas que jogam entlhos nas ruas:



Pois é. O Kassab não vai jogar sofá no rio. Nem jogar resto de móveis nas ruas. Então antes de xingá-lo e culpá-lo até pelo fato de estar chovendo, que tal colocar a mão na consciência e pensar que até mesmo aquele micro papelzinho de bala que é jogado no chão colabora para as cheias?

Aliás, alguém aí me explica o que leva a um ser imbecil desses do vídeo a fazer da rua um lixão a céu aberto? Falta de caráter? Falta de vergonha na cara? Sério, eu tento entender, mas não vem nenhuma explicação. Simplesmente porque não tem explicação, acho...

Enquanto não houver uma ação conjunta entre governo e sociedade, não adianta. Vai continuar enchendo. E daqui pra pior.

6 comentários:

Palazzo disse...

Olá Grande amiga Millenia,
Agora você está no caminho certo.
Todos são culpados, principalmente o povo que não é tão culpado assim. Entendeu? Não?
Explico:-}
O Povo é culpado porque não é orientado desde criança a ter boas maneiras, nem ambiental nem muito menos social. Quem orienta o povo? Deveria ser os Governos: Federal, Estadual e Municipal. Agora te pergunto: Como os Governos vão orientar se eles próprios não são referência.
Nossas crianças crescem sem referência, sem educação moral nem cívica. (Lembra dessa matéria?), pois é eu estudei.
Quando eu era do primário recebia folhetos falando sobre o Sujismundo e depois que eu lê-se tal folheto o mesmo me indicava onde jogar fora. Mas a implicância com os militares por causa da Ditadura(ou melhor a ditabranda segundo um jornalista ai onde você mora) é grande que esquecem o que de bom também fizeram por esse país. (veja bem não estou defendendo A ou B.
Já ouviu falar em Itaipu, EMBRAE, EMBRAPA ETC.?
Quero apenas mostrar que radicais e liberais existem até dentro da nossa própria família.
Grannnnnnnnde abraço aqui do meio da floresta. (mas a floresta verdadeira).

Li disse...

Me chamaram de desumana quando eu disse que o povo tinha que se ferrar mesmo!
Já cansei de ver pessoas jogando lixo na rua e eu ir lá e pegar pra colocar no lugar correto.
As pessoas não pensam, fazem o querem e depois dão uma de coitadas...que colham o fruto que semearam...eu particularmente nem ligo.
Nada a ver mas outra coisa que me tira do sério:pais que não ligam pros filhos e depois que os filhos crescem e passam a fazer coisas erradas, ai dão uns de coitados e resolvem se preocupar com os filhos...tarde demais.
É fogo!

Mauro S disse...

Oi Denise, falta educação do povo, tudo começa pela educação, e nem todos a tem, e aí a cada chuva um novo velho problema.
Beijos, Mauro

Mauro S disse...

O comentário agora só depois que liberares? Por quê?
Por que esta mudança?

Srta.Lua disse...

Falta de educação mesmo!
Mas ò deixa eu contar uma coisas.

eu tenho mania de qurdar meus papéis de bala no bloso quando não encontro lata de lixo! putz já me chamaram de lixeira ambulante! O.O, bem, muitas pessoas tem vergonha de fazer o que eu faço, eu não to nem aí!

quanto ao sofá não dá pra guardar no bloso, então poderia fazer um galpão para reformas de sofás e ser vendidos mais em conta! seria uma boa idéias!


Ah! e os papelinhos eu jogo fora quando chego em casa ahuahuahuaha

bjo

Lindsay disse...

sou da mesma opinião. POVO BURRO! E PORCO!!!!!
E isso é geral, não é exclusividade daí não.
Fico decepcionada, revoltada com a falta de educação das pessoas, com a incapacidade delas de ver o obvio e fazer coisas simples, como por lixo no lixo, em vez de jogar pela janela do carro ou simplesmente no chão. Dói ser organizado e, no mínimo, limpo? Dói separar o lixo seco do organico?
É o mínimo que a gente pode fazer, dada a forma como as coisas funcionam hoje em dia e a situação crítica que envolve a questão ambiental. Por outro lado, falta e muito dar responsabilidade as empresas que produzem, produzem, sem sequer se preocupar com o destino e o resíduo disso tudo. É triste....E a sujeira toma conta enquanto todo mundo, ironicamente, lava as mãos. :(