segunda-feira, dezembro 06, 2010

Pelo direito de morrer com dignidade.

A única certeza que demos nessa vida é de que iremos morrer um dia. Mas apesar dessa certeza, praticamente ninguém pensa nisso. Só que chega uma hora que não tem mais jeito, temos que ir, querendo ou não.
É inquestionável que os avanços da medicina nos proporcionaram condições de tratar certas doenças, e nos dar qualidade de vida. Mas existe uma grande diferença entre tratar alguém que tem grandes chances de viver bem, e prolongar desnecessariamente o sofrimento de pacientes que não tem mais chance de praticamente nada. Em certas ocasiões, acho muito mais digno a natureza seguir seu curso. Mesmo porque acredito que todos devem ter direito não somente a viver com dignidade, mas também a ter uma morte digna.
Não acho que manter uma pessoa vegetando através de aparelhos seja a favor da vida. Isso pra mim é mais uma demonstração de egoísmo. Egoísmo este que causa um sofrimento enorme para todo mundo.
É por isso que sou totalmente a favor da ortotanásia [que é totalmente diferente da eutanásia, apesar de muita gente confundir]. Ortotanásia nada mais é do que dar o direito daquela pessoa que já está quase no fim de sua vida de deixar a natureza fazer a sua parte. Nada de tratamentos invasivos. Nada de tubos, agulhas, e etc. Somente tratamentos paliativos, para aliviar a dor. E ainda bem que pelo menos dessa vez nossa justiça funcionou e derrubou a liminar que impedia a prática da ortotanásia no Brasil.
Todos nós deveríamos ter o direito de viver, e morrer com dignidade. E fico feliz em saber que a medicina está revendo seus conceitos, e aos poucos abandonando a mentalidade de 'a vida a qualquer custo'. Acredito que todos saem ganhando com isso.

8 comentários:

Roberto Tramarim disse...

A medicina hoje tende a ser mais humanizada nesses casos, o problema mesmo é a lei. Eu postei recentemente no meu Facebook um link de uma nova lei espanhola que permitia a "morte digna". Infelizmente, por pura burocracia judiciaria, na maioria dos países é muito difícil tratar tal questão com a seriedade que ela merece, até porque legislador deve pensar que nunca vai morrer.

Roberto Tramarim disse...

Esqueci de dizer: Mas neste mundo, na maioria dos lugares sequer se vive com dignidade, que dirá morrer com ela.

Eu defendo a ortotanásia a muito tempo, até participei de debates sobre isso no Orkut.

Ruby disse...

Li esse fim de semana essa notícia, também sou de acordo. Que alegria se pode ter vendo um ente querido se definhar, mesmo sabendo que não tem jeito? Realmente, as pessoal confundem a eutanásia daí a confusão se forma. Viver, só se for pra ter alegria, vegetar não é viver.

Palazzo disse...

Millenia isso é complicado mesmo, Têm questões religiosas, legislativas e cinentíficas. Usar o bom senso ainda vai demorar. O "ser Humano" está passando por um processo evolutivo. Eu acho. Se for um processo degenerativo, todos nós morreremos sem dignidade, até o planeta.
abç

SBIE disse...

Não conhecia a Ortonáusea, quer dizer a Ortonásia.. rsss

SBIE disse...

Há realmente um tabu se realmente a pessoa tem direito de morrer...

De certa forma, morrer para nós ocidentais, em geral, é ser covarde - não conseguir encarar o inevitávil da vida.

Para algumas culturas antigas, se suicidar de certo modo salvava a honra perdida.

Essas duas visões culturais não estão erradas em si, e não que estejam certas. Sem julgamento de valor, só posso dizer que a visão com relação a eutanásia realmente tem mudado.
Ter dor tem sido um motivo para cometer tal ato.

Julis disse...

Eu concordo com vc, e acredito que a vida seja apenas uma passagem e qdo não se tem mais volta, o melhor mesmo é partir pro outro lado

Simone disse...

Não sei, é meio polêmico. Eu penso que se a pessoa está ligada a aparelhos e permanece viva, de alguma forma ela deve ter o sentimento de querer viver... digo isso porque lembro de experiências que fizeram com pessoas fingindo que tinham cortado o pulso delas e elas realmente morreram, sendo que não fizeram nada de verdade. então, talvez, se elas estão vivas ligada a aparelhos, algo nelas acredite na vida...

sei lá.

hehehehe


beijos!