quinta-feira, julho 07, 2011

Viagem durante o feriado de Corpus Christi - Última parte.

Antes de viajarmos, já tínhamos combinado de sábado irmos até Foz do Iguaçu, para visitar as cataratas. Estava tudo dando tão certo, mas.. Murphy resolveu aparecer e... Mandou chuva! E não foi pouca chuva. Foi um mega temporal, que caiu durante a madrugada inteira. Acordamos de manhã, e estava um tempo pra lá de cagado. Mas decidimos ir assim mesmo, pelo menos pra conhecer a cidade, já que o Vander nunca tinha estado lá. Quando saímos do hotel a chuva já tinha parado, e estava uma garoa fina. E lá fomos pro festival de buracos de novo. Dessa vez o GPS não avacalhou (tanto) com a gente. Mas durante a viagem do nada aparecia uma pancada de chuva que não dava pra enxergar um palmo a frente do nariz. Já tínhamos desistido de vez de irmos ao parque, porque com aquela chuva seria impossível fazer alguma coisa. Chegamos na cidade e fomos direto almoçar, pois já eram 14 horas, e por causa daquela chuva levamos mais tempo do que deveríamos. Almoçamos.. E já que estávamos lá, e a chuva tinha dado uma trégua, fomos visitar o Marco das Três Fronteiras. Pelo menos em algum lugar a gente tinha que ir. Ao contrário do dia que eu fui com a minha mãe, a lojinha estava aberta! Ganhei uma camiseta e comprei um imã de geladeira. Bom, muito bom! :D



Ficamos um tempo lá boiando... Reparei que ao contrário dos outros dias, estava mais frio. Não aquele friozão, mas já dava pra colocar uma blusa de lã fina. Depois de ficarmos um tempo por lá, voltamos pra estrada, pois não queríamos chegar muito tarde em Dionísio Cerqueira. Até então estava tranquila a viagem, com um pouco de chuva. Mas quando chegamos na pior parte da estrada, de repente caiu um noitão e veio uma chuva.. Mas uma chuva.. Não dava pra enxergar absolutamente nada na frente! E pra piorar, alguns trechos estava com chuva + neblina! Eu nunca tinha visto isso na minha vida. Conclusão: demoramos a chegar no hotel, e ninguém mais aguentava aquela estrada horrenda com aquele tempo pra lá de borrado! Depois desse retorno tenebroso chegamos! Vivos.. Ufa! Parecia um pesadelo que não terminava nunca...

A madrugada foi de chuva..Muita chuva. Eu dormia, acordava... E esfriou! Parece que foi pra dizer tchau pra gente. Esfriou demais! Acordamos no dia seguinte, e fui na varanda do hotel ver como estava o tempo. Muita, mas muita neblina! Tudo bem, eu amo neblina,confesso! Mas aquela chuva foi de matar! Ainda bem que tinha parado..



Tomamos café, nos arrumamos e saímos. Na rua estava mais congelante ainda! Passamos por um relógio e consegui registrar a temperatura às 9 da manhã:



Quatro graus na temperatura, mas com certeza com aquele vento de trincar o cérebro, a sensação térmica devia ser de uns 10 negativos.

A viagem de volta para Chapecó foi tranquila. Não choveu! A estrada estava tranquila, e não tinha praticamente trânsito nenhum. Chegamos no aeroporto, comemos algo, entregamos o carro, pegamos um táxi e fomos para a rodoviária. Sim, rodoviária, pois eu me recusei a pagar 900 reais em uma passagem de volta para São Paulo. Se isso é cobrar barato por passagem de avião... Por outro lado estava empolgada com a possibilidade de fazer uma viagem a longa distância de ônibus. Ê que delícia! 14 horinhas de busão, dormindo que nem um anjinho! Ônibus leito, super confortável, uma delícia! E chegamos em São Paulo às 6:30 da manhã... E de cara já pegamos a primeira fila: para pegar a escada rolante.. E viva Sampa!

E assim termina mais uma aventura pelos lugares mais distantes deste Brasil. Qual é o próximo destino? Campos do Jordão, e talvez, Mogi Mirim. Tudo aqui pertinho. Até me recuperar financeiramente desta viagem, e poder planejar a próxima.. Quem sabe pro Acre?

9 comentários:

Mauro S disse...

Oi Denise, que legal sair, fotografar, e passear bastante, mas com um tempo mais legal, não abaixo de pancada de água e com uma neblina que não se enxerga nem os faróis, já passei por isto, por uma chuva assim, andando há cinquenta na estrada, e pior, puxando a fila, e também há muito tempo sem enxergar o bico do carro, e não quero mais viagens assim, prefiro o conforto, mas com uma máquina, uma louquinha a tiracolo, tipo família Adams (risos) e algumas pessoas, até que deve ser divertido, e tudo são lembranças na vida da gente.
Beijos, adoro esta amiga e teus posts, Mauro

Vander Leão disse...

O sábado foi um dia pra entrar na história, falo isso pq só faltou nevar na estrada, lembro de instantes q nós dois paramos de conversar de tão tensa q estava a situação na estrada...carros do nada se jogando no acostamento e um verdadeiro comboio atras da gente hahaha
Mais ainda assim adorei ir a Foz e vamos voltar lá novamente ;)
O ultimo pudemos conhecer o tão esperado frio...,mtooo bom, q venha a próxima viagem ;)
Bjss

Palazzo disse...

Millenia essa do frio é fácil de resolver...
Vem pra cá, afinal são apenas 4.500 kms
rsrsrsrsr

Ruby disse...

Murphy resolveu aparecer, kkkk! E quando vem atrapalha tudo. Visitar as Catarartas com chuva, não dá!

Srta.Lua disse...

eu amo neblina! me faz lembrar a infancia, fora que estou aprendendo a amar o frio! hahaha

ah! adoro as fotos que vc faz na viagem!


bjs!

Nana disse...

Oi, hoje tem blogagem coletiva do Projeto 10 em 10! 10 fotos em 10 momentos diferentes do seu dia 10. Participe! Bjs e fik c Deus.

SBIE disse...

Última parte... até que enfim hein, hahauauahua, to brincando... eu sei que é empolgante qdo a gente viaja! Acre, quem sabe! Aqui no estado de São Paulo tb existem muitos lugares bacanas! Eta Brasilzão né!

Parabéns! Bom descanso agora! hehe beijo

Silvia 'Sam' Cássivi disse...

Coragem pegar estrada com esse tempo hehehe

SBIE disse...

E ae Denise, quando vc volta a escrever!?