terça-feira, junho 09, 2015

Crucificação

Domingo passado foi a tão falada Parada Gay, evento que já se consolidou no calendário turístico de São Paulo.
Como todo ano sempre tem alguma polêmica, e dessa vez não poderia ser diferente.
A polêmica da vez foi:
Uma transexual desfilou crucificada.
Bastou para um festival de chorume no Facebook. Pessoas desejando que ela tivesse câncer, AIDS, que morresse espancada, etc etc etc..

Engraçado é que quando Neymar foi 'crucificado' na capa de uma revista há alguns anos, quase não se ouviu falar disso. Ninguém se ofendeu. Talvez um, ou outro e olhe lá.

Não vou entrar no mérito da crucificação em si. Eu, vou ser sincera. Achei de gosto meio duvidoso. Assim como o Neymar. Mas.... o que eu quero falar sobre é de algo muito mais perturbador na minha opinião: Estamos virando um país de fundamentalistas.

Pessoas execram a transexual (mas não o Neymar, ele pode). Acham que ela deve morrer. Mas se esquecem de que o respeito é uma via de mão dupla. A verdade é que, hoje em dia ninguém respeita mais ninguém. Alguns seguidores de certos ''pastores'' acham legal invadir terreiros de Umbanda e quebrar seus símbolos religiosos. Ora, mas eles não merecem ter sua crença respeitada? Aí vemos um deputado, se aproveitando do calor do momento, vindo com um projeto de lei pra lá de bizarro para criminalizar a cristofobia? Mas oi? Peraí! Então quer dizer que, não poderei discordar de alguns dogmas da igreja, não poderei criticar certas atitudes vindas de pessoas que se dizem cristãs, pois correrei o risco de ser presa ou multada? Estamos virando um Estado fundamentalista cristão?

Quando houve o ataque terrorista que matou os redatores da revista francesa Charlie Hebdo, vimos muita gente por aqui se revoltando. Chamando todos os muçulmanos de terroristas. Aliás, houveram casos de mulheres muçulmanas sendo agredidas na rua pelo simples fato de serem muçulmanas! "Esses muçulmanos selvagens! Matem todos! Nós, cristãos somos mais civilizados''. Será?

E pior, todo esse fanatismo respinga em pessoas inocentes de todos os lados. A maioria dos evangélicos só quer viver sua vida em paz sem incomodar ninguém. Assim como a maioria dos muçulmanos. E também os gays. Mas ambos acabam sendo discriminados por causa de uma minoria fanática que não usa aquele órgão que tem dentro do crânio para pensar.

Será que um dia nós respeitaremos as pessoas não por serem pretas, brancas, orientais, homens, mulheres, gays, héteros... E sim simplesmente por serem humanas?

Por que é tão difícil respeitar a fé alheia? Pra mim é extremamente ofensivo, mesmo eu não sendo católica, ver pastor chutar santa. Pra mim aquela estátua não significa nada, mas para um católico ela representa muito, cabe a mim respeitar. Assim como acho um absurdo, na Marcha das Vadias ficarem enfiando imagens sacras nos seus respectivos buracos. Isso é ofensivo, não combate discriminação nenhuma, e só incita mais ainda o ódio.  Assim como nada me dá o direito de invadir templo alheio e vandalizar. Aliás, que eu saiba, vandalismo é crime. Se eu não posso invadir uma concessionária e depredar carros, o mesmo princípio deveria valer para templos!

Sinceramente, dá desânimo... Acho que esse mundo ideal, onde todos nos respeitamos é utópico...
O que me faz pensar que a humanidade não deu lá muito certo...

2 comentários:

Tania Capel disse...

Oi Denise...
aff.. tantas polêmicas, ando até meio preguiçosa com as redes sociais! to voltando a blogar de uma maneira mais reservada, com codinome, se quiser me visitar: morangosdojardim.blogspot.com

com o tempo vou atualizar a leitura do seu blog... hoje estou passando pra saber quem ainda continua na ativa.
beijooooooooo

Mauro S disse...

Oi, eu me afastei do blog e internet, velhos problemas de esforço repetitivo, bem, olha este post, e me diz qual os teus que usastes e não usas mais?
http://lobomauro.blogspot.com.br/2015/01/programas-por-onde-passei.html
Não libera o comentário, a não ser que achares interessante.
Beijos.