quinta-feira, maio 27, 2010

Cada vez mais restrições..

Essa semana, me chamou a atenção uma reportagem sobre Curitiba ter uma lei que proíbe o uso de celulares dentro das agências bancárias. O motivo até seria nobre - evitar o golpe da ''saidinha do banco''. Até aí entendo, afinal, não tem nada pior que ser assaltado em plena saída do banco. Aliás, ser assaltado em qualquer lugar não é nada agradável, obviamente.

Mas o que eu questiono nem é isso. O que eu questiono é que em nome de uma pseudo-segurança, nós, cidadãos honestos, que trabalhamos, pagamos impostos - que deveriam ser revertidos em serviços públicos de qualidade, nos vemos cada vez mais privados das coisas.

Sequestro-relâmpago? Simples! É só limitar os saques nos caixas eletrônicos. Por fim acabaram limitando até o horário de retirada de dinheiro. Tá tendo muito assalto a banco? Coloquem as desgraças daquelas portas detectoras de metais, e deixe o controle nas mãos de seguranças, muitos sem preparo. E quando ocorre uma tragédia como a do homem que usava marcapasso, abafam o caso e fica por isso mesmo. Isso sem contar os inúmeros casos de humilhações sofridas por várias pessoas pelo Brasil afora. Pior ainda é ter que ler a mentira deslavada da Federação Brasileira dos Bancos, dizendo que ''O vigilante não tem nenhuma ação para fazer o bloqueio da pessoa que está entrando no banco''. Alô alô! Mentir é feio hein!!

E agora, vem mais uma novidade: proibir a pessoa de usar celular dentro das agências. E mais uma vez o cidadão honesto se vê privado de algo por causa da bandidagem. Aí é que eu me pergunto: diminuiu a violência? Não é o que eu vejo por aí nos noticiários. Os assaltos a bancos estão se tornando cada vez mais violentos, principalmente nas cidades do interior. E os bandidos continuam entrando nos bancos, com ou sem porta. Aí entra novamente o lance do famoso ''controle das portas''. Há um tempo atrás, vi no noticiário um cara entrando armado em uma agência bancária. Ao ser barrado, levantou a blusa, mostrando que não havia nada. Entrou. E a arma estava NAS COSTAS. Infelizmente perdi esse link, adoraria colocá-lo aqui.

É óbvio que não sou contra medidas para melhorar a segurança. Mas não acho que privar as pessoas seja de falar no celular, seja de tirar dinheiro, ou seja lá de qualquer outra coisa resolva o problema. O buraco é bem mais embaixo. Infelizmente moramos no país da impunidade, e acho que a raíz da maioria dos problemas com a violência é exatamente essa: a quase certeza da impunidade, principalmente quando envolve menor na história. Ao alimentarmos a impunidade, damos uma mensagem de que o crime compensa. Junte isso com crianças nascendo a torto e a direito, sem nenhuma estrutura familiar, crescendo jogadas, e assim virando presas fáceis para o tráfico e a bandidagem, pessoas sem perspectiva de vida cada vez mais ignoradas pelo poder público, e etc.. Como nenhum governo tem boa vontade em investir pesado em educação (digo investir mesmo, e não enfiando todo mundo na escola, e passando metade do tempo sem professor, e com uma qualidade de ensino sofrível), em qualificação profissional, saúde, segurança, é muito mais fácil criar leis ridículas limitando a liberdade das pessoas. E a violência aumenta cada vez mais. Triste...

10 comentários:

Mauro S disse...

Sempre o justo pagará pelo injusto, é a lei mais fácil, pra tudo falam "depende do orçamento", para nós do povo apenas, estou até aqui (acima da cebeça), por isto evito falar em política, na verdade odeio para não me exaltar.

Sobre esta notícia do banco, R I D Í C U L A!
Tudo para pior, dane-se o cidadadão de bem que paga seus muitos impostos.

Sobre doces, também babo, e muito, tirando coco que não gosto assim como caju, castanha e outros, o resto vem muito bem obrigado, e acada ano que passa mais doces são produzidos e vendidos.
Se eu conseguir os números da FENADOCE passada, de doces e público, te envio, a cada ano mais pessoas passam por aqui.

Beijos!

Mauro S disse...

Existem sites e sites, o Google vai do branco ao preto, pelo menos dá escolha, e a vista assim como a energia, agradecem.
Tinha um no passado com outro nome, o mesmo preto, mas acho que não salvei, adicionarei aos meus links no blog, se é interessante, está nos meus links.
Risos.
Beijos!

Mauro S disse...

Estuda que passas, o chato são as armadilhas no meio das questões, quero dizer, as interpretações de texto entre outros pega ratões, não me dei bem nos que eu fiz, mas vou torcer por ti, estudando vai longe!
Concurso para o quê?
Beijos!

Srta.Lua disse...

aff! nem me fale! isso daí vai acabar sendo só mais uma lei que não resolverá nada! deprimente essa situação

Palazzo disse...

Vixi Millenia, é vero? Como sempre quem se lasca são os homens de bem.
abç

Lucia disse...

sempre sobra pra gente que não tem nada com a história. eu fico revoltada.

Silvia 'Sam' Cássivi disse...

Uma vez, faz tempo, fui ao banco pela manhã...estava de saída pra trabalho, toda arrumada e tals, entrei com bolsa cheia e tudo e nem pediram pra eu tirar nada....Aí a tardinha tive que voltar la, ja estava com roupas mais 'à vontade', sem bolsa grande e de boa, acredita que me barraram na porta?
Ou seja: esta bem arrumada entra sem problemas, se esta mais à vontade eles te barram.

Pois é, uma vez eu estava numa agencia da Caixa por muito tempo esperando pra pegar seguro...a porta era próxima de onde eu estava e eu vi, por diversas vezes, os seguranças barrando as pessoas sem motivo nenhum, e vi na mão deles um o aparelhinho pra parar a porta. Dizer que eles não têm autonimia pra deixar entrar/barrar é mentira!!!!

Si Wasabi disse...

É triste... sempre tentam resolver o efeito e não a causa... enquanto for assim, o mundo vai continuar sendo injusto desse jeito! Bjs.

Sou blogueiro - INDICOESSE disse...

Aproveitando pra te linkar no seu mais novo banner.. lá na área de Parceiros!

Sou blogueiro - INDICOESSE disse...

Oi Denise!!

Então voltando;... hehe

Viu, eu senti todo a sua crítica na veia de cidadão. Realmente restringir nós pessoas de bem a usarmos nossso celular e outras mais é um paliativo,
Ou seja, uma forma de tentar resolver o problema de uma forma não intensiva e responsável. E assim vão nos restringindo nossos direitos e os bandidos continuam soltos.
Eu não duvido de que usem agora pagers para passar a informação de dentro do banco...
O que precisamos mesmo é de uma segurança que funciona e não nos prive numa tentativa ineficiente de acabar com a bandidagem.

Abrçao