quinta-feira, abril 29, 2010

!!!

Esse mundo é minúsculo. E com a abrangência virtual ficou menor ainda. Hoje mesmo fiquei de cara em descobrir um caso de uma pessoa do Rio de Janeiro que havia adotado uma criança, e estaria cometendo agressões contra a menina.

O caso em si já é escabroso, e faz questionarmos como foi esse processo de adoção. Mas nem foi isso que me deixou estarrecida. Na verdade eu fiquei estarrecida ao descobrir sem querer que a mesma pessoa queria adotar um gato há tempos atrás, e por diversos motivos as protetoras haviam negado a adoção.

Sim! Isso mesmo. Ela não conseguiu adotar um gato. Mas conseguiu adotar uma criança. Não vou entrar no mérito de comparações entre as duas adoções, visto que ambas são totalmente diferentes, não somente em termos legais, mas também em termos afetivos. Deixarei esse assunto para um outro post.

No tópico em questão, a pessoa havia dito que tinha comprado uma persa, e que estava com um problema no olho. Detalhe: o tópico é de 2007. Infelizmente, a adoção de gatos foi negada, mas como dinheiro compra praticamente tudo...

Um depoimento no determinado tópico em que descobri essa coisa estranha me chamou atenção:

''Se for a pessoa que estou imaginando que seja, uma desequilibrada mental. Na época em que ela estava desejando adotar um gato,eu tinha resgatado uma ninhada de três gatos (em 2007). Vi uma mensagem dela sobre esse seu desejo,mas não me manifestei. Num belo dia ela ficou sabendo que eu estava com esses 3 gatos, já que eu tinha postado o caso deles, e, sem eu ter mantido contato algum com ela pra falar sobre uma possível adoção dos gatos, veio me atacando de uma forma enlouquecida. Fiquei boba com tamanho desequilíbrio. Parece que já tinham negado a ela a doação de gatos. Falou os maiores absurdos pra mim,sem eu ter ideia do porquê de tantas ofensas, já que em nenhum momento dialoguei com ela sobre adoção dos gatos por mim resgatados. Se for a mesma figura, doida toda vida.''

Este outro depoimento também fala sobre desequilíbrio emocional da pessoa em questão:

Alguns devem lembrar quando ela entrou nesta comunidade agredindo a mim e a um renomado oftalmologista do RJ.
Ao ver seu desespero em outro tópico fui solidária com sua dor e usei meu perfil pessoal para contactá-la e dar a referência do JP, que segundo muita gente é o melhor do Rio de Janeiro em oftalmologia veterinária e já levei minha gatinha para ele tratar. Ele disse não haver necessidade de operar e passou medicação, que ela misturou com a do médico anterior , que queria fazer cirurgia. Fez uma salada mista no olho da gata , que estava com sintomas de rinotraqueíte e colocou a culpa no coitado quando o anterior disse que não podia operar. Atacou a mim e a ele aqui . Isso daria um bom processo contra ela , já que claramente falava da mistureba que fez e ainda o culpou pelos sintomas de rinotraqueíte . Eu tive que entrar em contato com a dona desta comunidade e pedir que apagasse as ofensas dirigidas a um profissional competente .
Alí não era necessário ser profissional da área de saúde mental para perceber sua problemática. Hoje no noticiário ouvi dizer que antes da adoção ela havia passado por avaliação psicológica . Estou decepcionada com a falta da capacidade de alguns colegas meus de profissão em detectar desvios e liberar uma adoção a alguém que precisa de ajuda médico-psicológica. Ela tinha uma gatinha, certo ? Os jornais mostram janela sem telas de proteção. Que criador ou protetor liberaria uma gatinha para alguém que não tem telas ? Tá tudo errado. Basta ser procuradora aposentada para conseguir qualquer coisa, incluindo vidas ? Se eu tentar adotar uma criança passarei um sufoco , mas uma procuradora aposentada pode se divertir com vidas, descontando nelas suas frustrações.
Estou muito preocupada com a menininha , que aos 2 aninhos de idade já foi abandonada pelos pais biológicos e torturada por uma desequilibrada

Agora o que eu questiono é: COMO essa pessoa conseguiu adotar uma criança? Que avaliação psicológica é essa? Não acredito que ninguém enxergou traços de personalidade incompatíveis com a adoção. Pelo visto, as protetoras de gatos tem mais feeling que alguns profissionais que trabalham na área de adoções de crianças. Isso é triste. Fico imaginando a cabeça dessa menina, 2 anos e já passou por tanto sofrimento..

Aliás, feeling é o que falta pra muita gente que lida com crianças. Vide o caso escabroso de Ribeirão Pires, onde dois garotos foram esquartejados pelo pai e a madrasta. A conselheira tutelar simplesmente achou que eles estavam inventando. Ui!

É.. tem coisas que me faz perder a fé na humanidade...

4 comentários:

Si Wasabi disse...

Isso é muito triste. E lógico que não comparamos uma criança com um gato, mas se a pessoa não tem estrutura pra cuidar de um gato, que é irracional e demanda menos cuidados, imagina de uma criança!

A verdade é que tem gente que quer ter animais e filhos por capricho, e não por amor...

Bjs.

Lucia disse...

que história louca.

Ruby disse...

Eu vi na TV quando saiu o caso e achei terrível, da pra perceber pela voz que se trata de alguém desequilibrada. E porque adotar uma criança? Só pra maltratar e fazer cada vez mais vivo o monstro que dentra dela.

Romântico.jp disse...

Infelizmente, além da questão do feeling, há é despreparo, falta de boa vontade e outras coisas mais. Sei BEM disso (vc sabe onde trabalho, atualmente, não é?).